Revista de Pediatria SOPERJ

ISSN 1676-1014

Logo Soperj

Volume: 16.1 - Fevereiro 2016 - 9  Artigos

Mensagem

1 - Mensagem

Anna Tereza Miranda Soares de Moura

Revista de Pediatria SOPERJ - V.16, Nº1, p3, Fevereiro 2016

PDF PT


Editorial

2 - Editorial

Edson Ferreira Liberal; Maria Nazareth Ramos Silva

Revista de Pediatria SOPERJ - V.16, Nº1, p5, Fevereiro 2016

PDF PT


Artigo Original

3 - A promoção da saúde materna e infantil em uma unidade básica de saúde por meio da amamentação

Mother and child health incentive through breastfeeding in a basic health unit

Camila Bastos Lapa; Adriana Duringer Jacques

Revista de Pediatria SOPERJ - V.16, Nº1, p6-10, Fevereiro 2016

Resumo PDF PT

OBJETIVO: Apesar de o aleitamento materno trazer benefícios à saúde da mãe e do bebê, são necessárias políticas públicas para evitar o desmame precoce. Uma dessas é a Iniciativa Unidade Básica Amiga da Amamentação (IUBAAM), proposta pela Secretaria de Saúde do Estado do Rio de Janeiro (SES-RJ), e cuja intenção é fortalecer as equipes da Atenção Primária à Saúde (APS). Tendo isso em vista, o objetivo deste trabalho é apresentar as modificações ocorridas em uma Unidade Básica de Saúde da Família (UBSF) após a certificação da IUBAAM em maio de 2011.
MÉTODOS: Foram entrevistados quatro profissionais de saúde da UBSF Vila Saúde (UBSF VS), sendo 2 membros da equipe técnica e 2 agentes comunitárias de saúde. As perguntas relacionaram-se às modificações ocorridas com a implantação da IUBAAM para a equipe envolvida e para a população assistida. Além disso, analisou-se o número de consultas de assistência maternoinfantil (prénatal, puerpério e puericultura) e o índice de aleitamento materno nos últimos 6 anos, sendo 2008, 2009 e 2010 anteriores e 2011, 2012 e 2013 posteriores à implantação.
RESULTADOS: Os resultados obtidos apontam o aumento dos indicadores maternoinfantis, como, por exemplo, o número de consultas a gestantes, crianças em aleitamento materno e acompanhadas na UBSF. Notouse, ainda, mediante a análise das entrevistas, o fortalecimento do vínculo entre a equipe da UBSF Vila Saúde e a população assistida, e do crescimento motivacional da equipe, realizada com a conquista do título.
CONCLUSÕES: Além de apresentar resultados positivos, a pesquisa ressaltou a importância do trabalho continuado e da formação de um grupo de mães promotoras do aleitamento materno, juntamente com a equipe.


Palavras-chave: Aleitamento materno, políticas públicas, atenção primária à saúde.

4 - Prevalência de violência familiar em crianças portadoras de doenças crônicas atendidas em um ambulatório de especialidades pediátricas

Prevalence of family violence in children carrying chronic diseases admitted into paediatric specialty care units

Stephanie Cathren Fenizola dos Santos; Larissa Vieira da Conceição; Anna Tereza Miranda Soares de Moura; Ricardo Mattos de Russo Rafael

Revista de Pediatria SOPERJ - V.16, Nº1, p11-16, Fevereiro 2016

Resumo PDF PT

OBJETIVO: Estimar a prevalência de violência familiar em crianças portadoras de doenças crônicas atendidas em ambulatório de especialidades pediátricas.
MÉTODOS: Estudo seccional realizado em ambulatório de especialidades de um hospital universitário, utilizado o instrumento Conflict Tactic Scales: Parent Child Version (CTSPC). A coleta de dados ocorreu por meio de amostragem por oportunidade com os responsáveis das crianças. Foram estimadas as prevalências dos diferentes tipos de violência, calculando os respectivos intervalos de confiança a 95%.
RESULTADOS: A amostra compreendeu 152 questionários aplicados, com predomínio de crianças do sexo masculino, idade até 4 anos e frequência na rede de ensino. Quase todos os participantes relatou mais de 3 consultas médicas por ano (89,5%: IC 95%: 84,5/94,4). Em relação aos tipos de violência, observou se positividade na escala de maus-tratos físicos graves em 8% da amostra (IC95%: 21,3/38,3) e em 87,5% para agressão psicológica (IC95%: 75,3/87,8).
CONCLUSÕES: Famílias com pacientes portadores de doenças crônicas tendem a ter uma forma de resolução violenta de conflitos, pois o cuidado desse paciente é um fator frequente de estresse na dinâmica cotidiana da família. Os dados mostram uma realidade alarmante, com um número expressivo de vítimas de violência grave em idade pré-escolar, período crucial do desenvolvimento infantil. Vale ressaltar que a complexidade dessas situações acaba dificultando a detecção da violência, pois as demandas assistenciais envolvem múltiplas tarefas e olhares multiprofissionais.


Palavras-chave: Violência, violência doméstica, maus-tratos infantis, doença crônica.

5 - Impacto do emprego de diferentes equações preditivas da taxa metabólica basal em crianças federadas jogadoras de futsal

Impact of different predictive equations of basal metabolic rate in children federated futsal players

Luciana Rossi; Fabiana Guerreiro dos Santos

Revista de Pediatria SOPERJ - V.16, Nº1, p17-21, Fevereiro 2016

Resumo PDF PT

OBJETIVO: Avaliar o impacto de diferentes equações preditivas de taxa metabólica basal em crianças federadas praticantes de futsal.
MÉTODOS: Foram avaliados 41 jogadores do sexo masculino (n = 41) da categoria sub 7 à sub 9. Obtiveram-se a massa corporal, a estatura e as dobras cutâneas para o cálculo do índice de massa corporal e percentual de gordura. Calculou-se a taxa metabólica basal partir de 2 equações preditivas para crianças de 3 a 10 anos. Foram empregados testes não paramétricos (p < 0,05) para conduzir as análises inferenciais.
RESULTADOS: Quanto ao estado nutricional, as crianças federadas foram classificadas com sobrepeso; porém, com percentual de gordura adequado à faixa etária. Os valores de taxa metabólica basal diferiram significativamente em 3%, ocorrendo uma superestimação a partir da equação de Henry e Ress (1991).
CONCLUSÕES: Aconselha-se cautela para a obtenção da taxa metabólica basal de crianças federadas futsal quando da utilização de equações preditivas, não devendo empregá-las como equivalentes, principalmente para computar o gasto energético total.


Palavras-chave: Taxa metabólica basal, crianças, exercício, gasto energético.

Relato de Caso

6 - Polisserosite tuberculosa em adolescente de 13 anos

Tuberculous polyserositis of 13-years-oldteenager

Ayla Cristina Bernardes da Silva; Christine Tamar Vieira Barreiro*; Carolina Carvalho Lucas; Roberta Leal Oliveira; Sarah Jenner Nogueira Kruger

Revista de Pediatria SOPERJ - V.16, Nº1, p22-25, Fevereiro 2016

Resumo PDF PT

OBJETIVO: Apresentaro caso de uma adolescente de 13 anos com polisserosite tuberculosa.
DESCRIÇÃO DO CASO: Paciente, sexo feminino, 13 anos, iniciou quadro de febre não aferida, astenia e aumento progressivo do volume abdominal. Referia dispneia em decúbito dorsal. Aos exames complementares observou-se ascite volumosa, derrame pericárdico, atelectasia em base de hemitórax direito e derrame pleural bilateral. Hemograma foi inespecífico, VHS aumentado, demais provas de atividades inflamatórias inalteradas, PPD não-reator e sorologias negativas. Foram descartadas doenças reumatológicas. Realizada punção diagnóstica do líquido ascitico, o ADA foi positivo, o que justificou tratamento empírico com RIPE: rifampicina, isoniazida, pirazinamida e etambutol. A melhoraclínicafoiobservadarapidamente.
DISCUSSÃO: A polisserosite tuberculosaé uma forma de tuberculose extrapulmonar, condição incomum que pode acontecer em todas as idade. Os derrames tuberculosos inflamatórios também podem ocorrer em qualquer uma das cavidades serosas: pleural, pericárdica ou peritoneal. Quando há o acometimento de mais de uma serosa, denominase "polisserosite". A apresentação clínica da polisserosite consiste na soma dos sintomas dos acometimentos de cada serosa. O tratamento é o esquema RIPE (rifampicina, isoniazida, pirazinamida e etambutol) e pode ser iniciado apenas com o diagnóstico presuntivo, auxiliando à conclusão do diagnóstico definitivo.


Palavras-chave: Tuberculose, polisserosite, relatodecaso.

7 - Síndrome de Mauriac em criança com diabetes mellitus do tipo 1 e controle glicêmico inadequado

Mauriac Syndrome in a child with type 1 diabetes mellitus and inappropriate glycemic control

Gabrielle Macedo Pedrosa; Eduardo Machado Gaiane; Rafaella Maia Paredes; Laura Gonçalves Machado; Cléo Bragança Cardoso; Danielle Plubins Bulkool

Revista de Pediatria SOPERJ - V.16, Nº1, p26-30, Fevereiro 2016

Resumo PDF PT

Objetivo: Alertar sobre a importância do controle glicêmico adequado na regressão do quadro clínico da Síndrome de Mauriac (SM).
DESCRIÇÃO DO CASO: CJOS, 9 anos e 7 meses, sexo feminino. Ao longo de 8 anos, teve múltiplas internações por cetoacidose diabética e hiperglicemia, uma das quais ocorreu em novembro de 2014 no Hospital Universitário Antônio Pedro (HUAP). Apresentava atraso do desenvolvimento pôndero-estatural, estando abaixo do percentil 15; porém, com índice de massa corporal (IMC) próximo do percentil 50. Também detinha glicohemoglobina (HbA1c) de 13,3%, hipertrigliceridemia, hipercolesterolemia, aumento das transaminases e inversão do padrão albuminaglobulina. Após alta com terapia adequada, foi internada novamente em fevereiro de 2015 por falta de adesão ao tratamento e de manutenção do descontrole glicêmico. Foi realizada ultrassonografia abdominal, que mostrou hepatomegalia difusa com contornos regulares. Os exames laboratoriais mostraram alterações similares aos da internação em 2014. A paciente foi tratada com insulinização venosa e recebeu alta com plano terapêutico ambulatorial.
DISCUSSÃO: A Síndrome de Mauriac é uma forma rara de diabetes mellitus do tipo 1 (DM1), uma das doenças mais importantes em pacientes pediátricos. Caracteriza-se pela tríade: hepatomegalia, retardo do crescimento e diabete mal controlado, por um período de longa duração. O quadro clínico é explicado pelo descontrole glicêmico e pelas alterações endócrinometabólicas, causadas pela hiperglicemia e pela insulinoterapia. O diagnóstico é clínico, e a base do tratamento é o rígido controle glicêmico, podendo levar à regressão dos sintomas que caracterizam a síndrome.


Palavras-chave: Diabetes mellitus tipo 1, glicogênio hepático, hepatomegalia, Síndrome de Mauriac.

8 - Infecção invasiva por Staphylococcus aureus resistente à meticilina associado à comunidade em criança saudável

Invasive communityassociated methicilinresistant Staphylococcus aureus infection in healthy child

Cláudia Aguiar de Barros; Fábio Aguiar-Alves; Márcia Antunes Fernandes; Ana Flávia Malheiros Torbey; Maria de Fátima Nogueira de Freitas; Thatyana Ribeiro Medeiros; Ana Paula dos Santos Oliveira; Claudete Aparecida Araújo Cardoso

Revista de Pediatria SOPERJ - V.16, Nº1, p31-36, Fevereiro 2016

Resumo PDF PT

OBJETIVO: O surgimento de infecções por Staphylococcus aureus resistente à meticilina associado à comunidade (CAMRSA) em crianças tem sido um grande desafio, devido à rápida propagação mundial e às significativas taxas de morbidade e mortalidade especialmente nos últimos anos, com grande impacto nessa população. Este estudo descreve o caso de uma criança previamente saudável e sem fatores de risco para a infecção por CAMRSA.
DESCRIÇÃO DO CASO: Tratase de recém-nascido do sexo masculino, 28 dias, admitido no hospital para tratamento de uma celulite no tórax, em uso de oxacilina e ceftriaxona. Ao exame clínico na admissão, apresentava lesão de impetigo em membros superiores e tórax, com hiperemia difusa, além de áreas de cianose e de edema intenso até região inguinal. Paciente evoluiu rapidamente com extensa fasciite necrosante em região torácica. Houve drenagem espontânea de 925 mL de pus em região intermamilar e dorso. Paciente apresentava taquipneia, enchimento capilar lentificado, vasodilatação palmoplantar e acidose metabólica. Devido à gravidade do caso, o esquema antimicrobiano foi modificado para vancomicina e cefepime, sendo esse último suspenso após resultado da secreção torácica positivo para CAMRSA. Paciente evoluiu clinicamente bem após o tratamento.
DISCUSSÃO: O presente relato enfatiza a importância de uma intervenção antimicrobiana diferenciada para os casos de infecção estafilocócica com evolução clínica rápida, sem melhora com o uso de βlactâmicos. Sugere-se a modificação na conduta em relação ao tratamento das infecções estafilocócicas, com a cobertura empírica inicial com sulfametoxazol trimetoprim, clindamicina ou vancomicina, dependendo da gravidade do quadro, para pacientes com suspeita clínica de infecção por CAMRSA.


Palavras-chave: Staphylococcus aureus resistente à meticilina associado à comunidade, infecção, criança.

Resumo de Tese

9 - Leptina, adiponectina, resistência insulínica e componentes da síndrome metabólica em crianças pré-púberes com excesso de peso

Leptin, adiponectin, insulin resistance and metabolic syndrome components in overweight prepubertal children

Isabel Rey Madeira

Revista de Pediatria SOPERJ - V.16, Nº1, p37-38, Fevereiro 2016

Resumo PDF PT

Resumo de tese.


Palavras-chave: Adiponectina, Criança, Doenças cardiovasculares, Leptina, Obesidade, Resistência à Insulina