Revista de Pediatria SOPERJ

ISSN 1676-1014

Logo Soperj

Volume: 8.2 - Outubro 2007 - 8  Artigos

Editorial

1 - Editorial

Maria de Fátima Goulart Coutinho

Revista de Pediatria SOPERJ - V.8, Nº2,  Outubro 2007


Revisões em Pediatria

2 - Doença do refluxo gastroesofágico: diagnóstico e tratamento

Gastroesophageal reflux disease: diagnostic and therapeutic approach

José Cesar da Fonseca Junqueira

Revista de Pediatria SOPERJ - V.8, Nº2,  Outubro 2007

Resumo

INTRODUÇÃO: o conteúdo gástrico incluindo fluidos duodenais, são eventualmente regurgitados para o esôfago, produzindo sintomas ou complicações que são chamadas genericamente de doença do refluxo gastroesofágico. Ela atinge um grupo heterogêneo de pacientes, com diferentes sinais e sintomas em decorrência da sensibilidade à exposição do esôfago ao ácido, percepção à dor e envolvimento do tecido.
OBJETIVO: definir refluxo e doença do refluxo gastroesofágico, descrever o diagnóstico e tratamento.
MÉTODO: revisão não sistemática da literatura médica nacional e internacional disponível no MEDLINE por meio de busca no PubMed, referentes aos anos de 1966 a 2006. Foram encontrados mais de 600 artigos e deles foram selecionados 162 para compor esta revisão que consta de 2 partes. Esta é a segunda e trata do manejo (diagnóstico e tratamento) da doença do refluxo gastresofágico em crianças.
CONCLUSÃO: refluxo gastroesofágico é comum na faixa pediátrica. O diagnóstico pode ser feito com uma boa história e exame físico detalhado. A necessidade de exames laboratoriais se aplica principalmente aqueles com manifestações extra digestivas e quando há suspeita de má formações anatômicas. O tratamento é clínico na maioria dos casos.


Palavras-chave: Refluxo Gastroesofágico, Literatura de Revisão, Criança, Diagnóstico

3 - O impacto da violência na saúde mental das crianças

The impact of the violence in childhood mental health

Sheila Abramovitch; Maria L·cia Moreira; Elie Cheniaux

Revista de Pediatria SOPERJ - V.8, Nº2,  Outubro 2007

Resumo

INTRODUÇÃO: A violência tem sido considerada um dos eventos traumáticos responsáveis pela doença mental na infância. Um conjunto de fatores interage e torna a criança vulnerável ou resiliente ao trauma psíquico. Um evento violento terá expressão diferenciada em cada criança, considerando-se os aspectos biológicos, genéticos, psicológicos e ambientais. O pediatra, muitas vezes, é o primeiro a receber estas crianças com sintomas psiquiátricos, o que demanda diagnóstico diferencial, intervenção e encaminhamento adequado.
OBJETIVO: Revisão não sistemática da literatura sobre associação entre violência e doença mental na infância. Chamar a atenção dos pediatras para o aumento do número de casos clínicos envolvendo esta associação.
METODOLOGIA:
Revisão bibliográfica nas bases Medline/PubMed, Lilacs e Scielo, referente ao período de junho de 2001 a maio de 2007, com emissão de opinião e exemplos clínicos. Foram incluídos, por sua relevância, livros de anos anteriores.
RESULTADOS: Foram listados 211 trabalhos, sendo selecionados 39 artigos de acordo com: título, resumo, assunto, ser artigo original ou de revisão e disponibilidade de acesso pelo portal da CAPES. Ainda, textos clássicos, de importância à compreensão do tema.
CONCLUSÕES: Os trabalhos analisados encontraram associação entre violência e doença mental na infância. É necessário o acompanhamento da criança vítima de violência com manifestações psiquiátricas, para se avaliar o desenvolvimento de sintomas reativos, adaptativos ou de transtornos psiquiátricos.


Palavras-chave: Violência. Estresse Traumático. Transtornos Mentais da Criança.

4 - Hipoplasia pulmonar - relato de seis casos com variações no exame diagnóstico

Pulmonary hipoplasia - six cases with various diagnostic procedures

Rachell Cerqueira; DÚbora Brandão Vieira Mendes; Rafaela Baroni Aurélio; Maria de Fátima B. Pombo March; Sidnei Ferreira; Clemax Couto Sant'Anna

Revista de Pediatria SOPERJ - V.8, Nº2,  Outubro 2007

Resumo

INTRODUÇÃO: A hipoplasia pulmonar ( HP ) corresponde ao desenvolvimento incompleto do parênquima pulmonar, com diminuição do tamanho e número de alvéolos, da área de passagem do ar inspirado, hipoplasia da artéria pulmonar correspondente e déficit de surfactante.
OBJETIVO: relato de crianças com HP atendidos no período de 25 anos em uma instituição universitária, descrevendo características clínicas, métodos diagnósticos e conduta.
CASOS: são descritos seis pacientes, com idades variando de três meses de vida a oito anos; sendo quatro do sexo masculino.
COMENTÁRIOS: destaca-se a utilidade dos diferentes métodos diagnósticos empregados, como ultrassonografia pré-natal, arteriografia e tomografia computadorizada, bem como a evolução satisfatória em todos os casos.


Palavras-chave: hipoplasia pulmonar, mal formação pulmonar congênita, criança 18

Teses e Dissertações

5 - Efeitos do salbutamol inalatório na função pulmonar de prematuros de muito baixo peso ao nascer próximo a alta hospita

Aniele Medeiros Costa

Revista de Pediatria SOPERJ - V.8, Nº2,  Outubro 2007


Palavras-chave: hipoplasia pulmonar, mal formação pulmonar congênita, criança 18

6 - Teste de broncodilatação em prematuros de muito baixo peso ao nascer próximo à alta hospitalar

Geórgia Chalfoun

Revista de Pediatria SOPERJ - V.8, Nº2,  Outubro 2007


Palavras-chave: hipoplasia pulmonar, mal formação pulmonar congênita, criança 18

7 - Ecos do nascimento de um prematuro de extremo baixo peso (pn < 1.000g) em sua família: narrativas de casos clínicos e de contextos de vida

Sylvia Maria Porto Pereira

Revista de Pediatria SOPERJ - V.8, Nº2,  Outubro 2007


Palavras-chave: hipoplasia pulmonar, mal formação pulmonar congênita, criança 18

Revisões em Pediatria

8 - Ficha-resposta

Revista de Pediatria SOPERJ - V.8, Nº2,  Outubro 2007


Palavras-chave: hipoplasia pulmonar, mal formação pulmonar congênita, criança 18