Revista de Pediatria SOPERJ

ISSN 1676-1014 | e-ISSN 2595-1769

Logo Soperj

Volume 12 | Suplemento  1 | Agosto 2011

Desenvolvimento normal de 1 a 5 anos

Eliane Maria Garcez Oliveira da Fonseca

Rev Ped SOPERJ. 2011;12(supl 1):4-8.

PDF PT


Desenvolvimento neuropsicomotor no primeiro ano de vida

Alice Y. S. Hassano

Rev Ped SOPERJ. 2011;12(supl 1):9-14.

Resumo PDF PT

São apresentados alguns parâmetros que podem ser utilizados na avaliação do desenvolvimento neuropsicomotor numa consulta em Pediatria, com considerações de que se deve chegar ao diagnóstico funcional da criança.


Acompanhamento do crescimento normal

Leda Amar de Aquino

Rev Ped SOPERJ. 2011;12(supl 1):15-20.

PDF PT


Afetividade e desenvolvimento

Roberto Santoro Almeida

Rev Ped SOPERJ. 2011;12(supl 1):21-27.

Resumo PDF PT

O presente artigo discute a natureza, as funções e a neurobiologia do afeto. Os princípios do desenvolvimento afetivo humano são apresentados, enfatizando a importância das relações interpessoais para a organização dos mecanismos regulatórios dos afetos no cérebro. O fracasso dos cuidadores em promover um apego seguro está relacionado a problemas na regulação dos afetos, que podem comprometer o sentimento de segurança, a autoestima e os relacionamentos do indivíduo, e contribuir para a gênese de uma variedade de transtornos mentais. Discute-se a possibilidade de prevenção, através da detecção precoce de bebês em risco para problemas no desenvolvimento do afeto, e a intervenção nos fatores de risco para transtornos mentais na infância.


Palavras-chave: desenvolvimento afetivo; apego; neurobiologia; intervenção precoce

Crescimento e desenvolvimento na adolescência

Maria de Fátima Goulart Coutinho

Rev Ped SOPERJ. 2011;12(supl 1):28-34.

PDF PT


Palavras-chave: desenvolvimento afetivo; apego; neurobiologia; intervenção precoce

Avaliação auditiva: como proceder

Ana Paula Jorge Silva Maia

Rev Ped SOPERJ. 2011;12(supl 1):35-39.

PDF PT


Palavras-chave: desenvolvimento afetivo; apego; neurobiologia; intervenção precoce

Detecção precoce de alterações visuais: papel do pediatra

Viviane Lanzelotte

Rev Ped SOPERJ. 2011;12(supl 1):40-46.

PDF PT


Palavras-chave: desenvolvimento afetivo; apego; neurobiologia; intervenção precoce

Aspectos disciplinares e desenvolvimento infantil

Anna Tereza Miranda Soares de Moura*

Rev Ped SOPERJ. 2011;12(supl 1):47-52.

Resumo PDF PT

O acompanhamento do desenvolvimento se constitui em um dos pilares da prática pediátrica, podendo ser considerado como a atividade capaz de diferenciar este profissional. Além dos cuidados direcionados à própria criança, deve-se dar atenção ao ambiente que a cerca, já que nesta fase a ideia de bem-estar e qualidade de vida está intimamente relacionada à convivência em família. Um aspecto fundamental que pode determinar as características desta dinâmica familiar diz respeito às práticas disciplinares utilizadas pelos pais em relação a seus filhos.
A disciplina infantil tem como objetivo principal preparar a criança para alcançar competências e habilidades relacionadas à aquisição de seu autocontrole e direcionamento. A orientação adequada seria pelo uso de estratégias sistemáticas de reforço positivo do comportamento desejado, de maneira a diminuir a atenção dispensada ao comportamento indesejado.
O uso do castigo corporal como método de disciplina é muito frequente e abrange uma série de atos que variam em intensidade e gravidade, causam dor, mas não levam à lesão física. Esta prática deve ser desencorajada, pois está relacionada a uma série de desfechos negativos para a criança.
Os pais e responsáveis devem ser orientados pela criação de um ambiente de aprendizado caracterizado por uma relação afetuosa e positiva com seus filhos. A maneira adequada de fazer as escolhas sobre os métodos de disciplina utilizados deve acompanhar as etapas de desenvolvimento de uma criança saudável. Em todas as faixas etárias existem momentos em que os pais vão precisar impor limites que não serão bem aceitos, gerando comportamentos indesejados e desobediências. Inicialmente pode parecer mais fácil eliminar ou interromper o comportamento indesejado com o uso de atos coercivos, mas o desenvolvimento de atitudes positivas é muito mais eficiente em longo prazo.

Ao pediatra cabe informar quanto aos métodos de disciplina disponíveis, sempre reforçando a prática de atitudes positivas. A despeito do uso frequente da punição corporal, existem outras possibilidades mais eficientes que podem ser utilizadas como formas de disciplina.

O pediatra possui papel de destaque na disseminação de práticas não abusivas e já fortemente relacionadas com desfechos negativos ao desenvolvimento adequado, a partir da promoção da saúde infantil de maneira ampliada e diferenciada.


Palavras-chave: desenvolvimento afetivo; apego; neurobiologia; intervenção precoce

Dificuldades escolares

Paulo Cesar de Almeida Mattos

Rev Ped SOPERJ. 2011;12(supl 1):53-57.

PDF PT


Palavras-chave: desenvolvimento afetivo; apego; neurobiologia; intervenção precoce

Baixa estatura

Claudio Hoineff

Rev Ped SOPERJ. 2011;12(supl 1):58-61.

PDF PT


Palavras-chave: desenvolvimento afetivo; apego; neurobiologia; intervenção precoce

Puberdade precoce

Izabel Calland Ricarte Beserra

Rev Ped SOPERJ. 2011;12(supl 1):62-67.

Resumo PDF PT

A puberdade é uma fase de desenvolvimento físico, mental e social extremamente sensível para meninas e meninos. O conhecimento do seu curso é necessário já que qualquer desvio do normal, embora possa ser visto com grande ansiedade pelo jovem paciente, pode representar tanto uma variante normal como uma patologia do desenvolvimento puberal.
O médico deve ser capaz de proporcionar ao jovem paciente informações precisas e conduzi-lo através do processo da puberdade de uma maneira tranquilizadora. E se uma variante normal está presente, o médico pode ajudar o paciente e seus pais, orientando-os.
Raramente há necessidade de uma avaliação diagnóstica demorada e cara. Já se o desenvolvimento da puberdade é patológico, a causa do distúrbio deve ser encontrada através da realização de exames diagnósticos específicos e o tratamento específico iniciado.


Palavras-chave: desenvolvimento afetivo; apego; neurobiologia; intervenção precoce